INGC e Parceiros em Campanha Educativa pela Conservação da Água

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e parceiros estão a trabalhar, nas zonas urbanas e rurais, na campanha virada à sensibilização em matérias de poupança e conservação da água, visando inseminar uma nova atitude nas comunidades na utilização do precioso líquido.

A iniciativa está a ser possível em parceria com Organização Internacional para as Migrações (OIM), o Departamento dos Estados Unidos para a Assistência à Desastres no Exterior (OFDA) e o Instituo de Comunicação Social. Trata-se de uma iniciativa baptizada como “Campanha de Poupança da Água”, cujo lançamento teve lugar em meados de Julho.

A campanha vai disseminar, através das rádios comunitárias, mensagens de sensibilização para poupança da água, com recurso a cartazes, autocolantes e outras formas.

Na cerimónia do lançamento, o director-geral adjunto do INGC, Casimiro Abreu, disse que a campanha veio para ficar, não será apenas para o período da seca, necessitando de uma mudança de paradigma e aceitação por parte de toda a sociedade.

“A campanha enquadra-se numa das missões da instituição, que é de traçar políticas e estratégias para responder a situações adversas à natureza que podem colocar em causa a sobrevivência do Homem e de outros seres”, disse Abreu.
A fonte apontou, como exemplo, que na zona rural, para obter água a população percorre muitos quilómetros e ao encontrar este líquido é recomendável que faça o seu uso de uma forma racional. 

Nas zonas rurais, em particular nas províncias meridionais de Maputo e Gaza, existe o drama de elevados índices de salinidade no precioso líquido, situação que, segundo a fonte, constitui um desafio para a adopção de tecnologias de dessalinização capazes de assegurar a provisão do precioso líquido com qualidade para o consumo. 

A representante da OIM, Katharina Schnoering, disse ser gratificante unir esforços com o governo de Moçambique, através do INGC, para aliviar os efeitos da seca que assola o país. A organização apoiou na distribuição da água e bens não alimentares para cerca de 4.050 pessoas em sete comunidades do distrito de Moamba, província de Maputo.

Moçambique é o quinto país mais vulnerável aos impactos das águas e a OIM está disposta a apoiar o governo nas suas diversas actividades de prevenção, mitigação e resposta aos fenómenos naturais e humanos.

Por seu turno, o representante da Agência norte-americana para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Kenneth Hassan, disse na altura que a campanha lançada visa sensibilizar as comunidades sobre a importância de poupar água através da sua gestão racional. 

“A parceria pretende contribuir para uma mudança de atitude e responsabilização na utilização de recursos essenciais à vida humana”, disse Hassan, apontando que só no ano em curso a USAID, através da OFDA, está a disponibilizar mais de 7,5 milhões de dólares para o alívio do impacto da seca.